// você está lendo...

Sociedade e Política

A futura sociedade colorida, do tabu à realidade

Ana Gabriela Forsman

Raquel Queiroz

Não é mais possível tentar esconder ou negar a discussão sobre os direitos de gays e lésbicas no Brasil. O que antes se escondia e era considerado tabu ou doença psicológica, hoje parece “estar na moda” e representa a liberdade que a comunidade GLS conquistou. Mesmo assim ainda é encontrada pelas ruas muita discriminação, falta de informação e respeito com os homossexuais. A sociedade se diz moderna e pronta para todos os passos de evolução da raça humana, porém demonstra muitos pontos em que ainda precisa evoluir – como fica evidente nas entrevistas colhidas a seguir.

Em inúmeros países, os homossexuais vêm lutando e adquirindo seus direitos. Já se dizem casados, por meio de uma união estável, e em outros países já podem até adotar filhos. Com o tempo, conseguiram obstruir várias barreiras mas, no caso do Brasil ainda existem duas grandes delas a serem enfrentadas e ultrapassadas por completo: a sociedade “moderna” e a Igreja Católica.

A Avenida Paulista, tão importante para a cidade de São Paulo, ultimamente tem tido uso controverso em relação aos homossexuais. A Parada Gay, um evento anual que ocorre na avenida demonstra um lado divertido e exibicionista dos gays. Ao mesmo tempo, tem sido cenário para a violência e ataques contra gays. De acordo com pesquisas feitas por nós nas ruas da Avenida Paulista, 80% dos entrevistados acham que a Parada Gay não é benéfica para a imagem dos homossexuais, pois  isso dificulta ainda mais a aceitação da sociedade.

A dificuldade de aceitação é bastante influenciada pela Igreja Católica, pois a maioria da sociedade brasileira segue esta religião, na qual seus dogmas não permitem a união de pessoas do mesmo sexo, mesmo considerando os fatos de que no passado havia um número discrepante de homens gays dentro da própria Igreja, sendo que um fiel que se declara homossexual passa a ser um pecador. Casamento entre gays tem gerado muita polêmica nos brasileiros: muitos dizem que apoiam o casamento civil entre gays, se dizendo a favor da felicidade. Porém, quando trata-se do casamento “religioso”entre gays, a maioria nega qualquer tipo de aprovação.

Com a conquista da permissão da união civil em alguns países, os gays buscam atingir a estrutura familiar comum, morando juntos e com filhos. E para isso se concretizar não é necessário somente casar-se, é preciso também a legalização da adoção de crianças por casais homossexuais. As opiniões mais comuns das pessoas, ao discutirem sobre a criação das crianças num ambiente que tenha pais do mesmo sexo são, geralmente, que os filhos sofrerão preconceito ou serão levados a mesma opção sexual dos pais. A dificuldade vem na questão de que numa certidão de nascimento, a criança precisa de um pai e uma mãe, de sexos opostos. Diferente do Brasil, já existem outros países que superaram essa dificuldade por meio da elaboração de mais uma lei a favor dos gays. O caso mais atual foi o da Argentina, que em 2010 estabeleceu uma lei que autoriza a adoção de crianças por pais do mesmo sexo.

Discussão

3 comments for “A futura sociedade colorida, do tabu à realidade”

  1. Acredito q

    Postado por Bruno Nunes R. | March 22, 2012, 14:25
  2. Acredito que a questao dos homosexuais querem seus “direitos”, ou seja, nào tenha mais um olhar pré- conceituoso em relacão a sua escolha sexual, será algo que irá durar algum tempo, pois como no texto fala a nossa sociedade está voltada praticamente para a visão Católica, fazendo com que a aceitacão dos homoxesuais seja mais complicada. Acho que é de direito de todos escolherem seus parceiros, mas tudo tem seu limete, pois acho que a adocão de criancas por homosexuais e um pouco complicada, pois o crescimento dessa crianca adotada tera varios problemas, primeiro por seu algo que e muito novo na sociedade, portatnto haverá muito pré conceito e outro motivo são os pais dessa crianca que terão que educala de uma maneira especial.

    Postado por Bruno Nunes R. | March 22, 2012, 16:42
  3. A questão da opção sexual é muito polêmica pois envolve conceitos tradicionalistas e religiosos. Cada pessoa tem o direito de amar e se relacionar com quem prefere, devendo ser respeitado, pois é cidadão e principalmente, humano como todos. É claro que deve evitar o desrespeito as instituições religiosas ou culturais que não aprovam o ato, que também não deve desrespeitar os homossexuais por serem diferentes do que eles acham certo.

    Postado por Gabriela Rigobeli | March 22, 2012, 22:56

Postar um comentário