// você está lendo...

Esportes

O futebol no escanteio

A geração 7 x 1 : Copa do mundo, Copa América e Olimpíadas foram os recentes fiascos da seleção brasileira

A seleção brasileira, conhecida por seus triunfos no passado, vem enfrentando um delicado momento em relação ao seu futebol. Fiascos como o da Copa do Mundo de 2014 e da Copa América de 2016 pareciam ser considerados normais pelos torcedores, que passaram por uma fase de descrença no potencial da seleção. A mídia fez constantes críticas aos jogadores e à comissão. Além da falta de técnica, a equipe apresenta uma falta de compromisso muito grande.

Craques como Pelé, considerado por muitos o melhor atleta de todos os tempos, Ronaldo, Romário, Ronaldinho Gaúcho, entre outros, já vestiram a amarelinha e fizeram jus a suas convocações, levando a seleção à glória. Em razão dessas vitórias, o país ganhou o título de “pais do futebol”. Mas recentemente a seleção ganhou apelidos pejorativos, como a ” seleção dos mercenários”, ou a “seleção selfie”. Tudo aquilo que conquistamos, até mesmo a nossa identidade, aos poucos estamos perdendo. O amor em se jogar futebol já não é mais como antigamente. Hoje em dia o atrativo em ser profissional não é mais a paixão em driblar, o que é levado em conta é o dinheiro, o salário astronômico oferecido pelos times europeus e chineses.

Não é só a mídia brasileira que vem sendo dura com a seleção e seus fracassos, veículos de outros países também criticam o momento brasileiro. O jornal italiano Gazzetta dello Sport criticou duramente a Seleção Brasileira, publicando “7 a 1 da Alemanha ao Peru: o Brasil não existe mais”. Já o diário espanhol Marca publicou: “Brasil fora da Copa América com escândalo” e ainda coloca em debate se o time de então era o pior da história do futebol brasileiro. A que ponto chegamos? Esse talvez foi o pior momento do futebol brasileiro: altos salários e um futebol que não corresponde ao investimento.

O legado para o Brasil da Copa Do Mundo em sua casa

O legado para o Brasil da Copa Do Mundo em sua casa

Neymar, o camisa 10 da seleção canarinha, sem dúvidas é o melhor jogador brasileiro em atividade no futebol mundial. Ele pode decidir um campeonato ou um jogo em apenas um lance de habilidade, talvez seja insubstituível no time. Mas em compensação é o que recebe o maior salário entre todos, então tecnicamente se alguém tem de fazer a diferença é ele. Mas seu futebol passou por um período em que não correspondeu à altura, e isso é por conta de sua falta de comprometimento, seu comportamento fora de campo, causador de muitas polêmicas. Neymar parece um menino mimado, que resolve quando quer, e quando não quer faz corpo mole. O seu futebol em seu clube, o Barcelona da Espanha, é muito superior ao que ele apresenta na seleção. O craque não joga por amor à camisa, joga por obrigação e por medo de críticas severas.

O que precisamos, enfim, para recuperar a nossa identidade e o nosso futebol é aquele amor e a alegria nas pernas que o brasileiro tem por natureza. Só desse modo poderemos dar a volta por cima e retribuirmos toda expectativa e apoio que a torcida brasileira dá ao futebol de seu país.

Discussão

No comments for “O futebol no escanteio”

Postar um comentário