// arquivos

Arquivo de May, 2016

Carreiras: a infindável busca

Mais uma vez, o Colégio Stockler realizou o 6º Mergulho nas Carreiras, um projeto inovador que ajuda os jovens a esclarecer suas dúvidas sobre o que é uma profissão e auxiliá-los a escolher uma. O evento contou com a presença de profissionais e ex-alunos, convidados pela escola, que estudam ou atuam nas áreas de engenharia, direito, economia, publicidade, administração, arquitetura e medicina. Várias palestras e oficinas demonstraram aos alunos um pouco do que é ser um profissional de uma dessas carreiras. Os convidados debateram o futuro da profissão em que atuam e as possíveis mudanças que poderão ocorrer dentro de cada área, respondendo às perguntas feitas pelos alunos e pelos mediadores sobre as profissões e sobre o que é de fato ser um profissional. – Por: Eduardo Sampaio e João Eduardo Feijó.

A medicina brasileira na UTI

Desde as mais rudimentares formas de fitoterapia até o mais otimizado e tecnológico exame que se tem acesso atualmente, a medicina vem acompanhando de maneira limítrofe a jornada da humanidade ao longo dos séculos. Visando a cura e prevenção de doenças, médicos ao redor do mundo pesquisam e trabalham incessantemente em prol da saúde humana, lentamente se sobrepondo aos desafios que lhes são apresentados. Como consequência, um caminho – seja utópico ou distópico – é traçado para o futuro dessa área.

O farmacêutico subestimado

O trabalho do Farmacêutico é muito mais do que ser balconista de farmácia Um dos maiores objetivos da medicina é estar sempre buscando alternativas para prolongar a vida e a saúde do ser humano, descobrindo e desenvolvendo novos meios tecnológicos e biológicos para tal feito. Uma profissão fundamental para que isso seja possível é a […]

A dependência da engenharia

O mundo atual é repleto de engenhos, desde uma simples roda até um avançado sistema hidrelétrico. Mesmo assim, a engenharia estava perdendo valor, logo na época em que ela mais poderia ser útil, devido aos nossos avanços tecnológicos. O termo ‘’engenharia’’ é recente, originado no século XVI, porém seu conceito vem desde a antiguidade. Pode ser definida então pela aplicação de conhecimentos políticos, sociais e econômicos para construir ou melhorar tecnologias, a fim de redefinir a palavra utilidade. No entanto, essa busca pela praticidade pode nos levar a um futuro em que nossas ambições podem nos consumir.

Direito: de quem? E para que?

É difícil pensarmos que uma profissão que tem como seu principal objetivo estabelecer a ordem e promover a justiça social tenha também seu próprio “lado negro”. Podemos dizer que o direito (do latim directum, que significa o que está conforme a regra) nasceu junto conosco, a civilização, com a evolução de normas que foram tornando-se obrigatórias. Isso ocorreu devido à necessidade de estabelecer padrões de direção e regras de conduta para criar um convívio saudável entre as pessoas, proporcionando relações humanas harmoniosas.

Um plano para salvar cidades

Segundo o inciso IV do artigo 2º. da Lei Federal 10.257/2001 (Estatuto da Cidade): “A política urbana tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e da propriedade, mediante as seguintes diretrizes gerais: o planejamento do desenvolvimento das cidades, da distribuição espacial da população e das atividades econômicas do município e do território sob sua influência, de modo a evitar e corrigir as distorções do crescimento urbano e seus efeitos negativos sob o meio ambiente”. Municípios como São Paulo são o melhor exemplo do desprezo a estas diretrizes. A cidade, que se desenvolveu com grande velocidade e sem nenhum planejamento urbano, tornou-se um espaço que enfrenta diversos problemas sociais e ambientais. Os casos mais comuns são as favelas, em que um amontoado de pessoas vive sob péssimas condições de saúde e higiene (falta de saneamento básico) e poluição (aterros localizados próximo às casas).

A arquitetura de nossas vidas

Todos os trabalhos têm suas qualidades mas para que funcionem, uns precisam dos outros. Por exemplo, o médico cuida de seus pacientes em um hospital que é construído por um engenheiro, que utiliza a planta feita por um arquiteto… e assim por diante. A arquitetura é um exemplo de trabalho necessário desde a antiguidade. São os arquitetos que fazem as plantas que definem a estrutura das casas, fazendo com que elas fiquem de pé, além de organizarem as ruas, onde passa o encanamento e a iluminação, e definirem uma boa localização para escolas e hospitais. Sem eles nossas moradias não teriam nem água tratada, nem serviço de esgoto e nossas cidades seriam desorganizadas e má estruturadas.

Psicologia: o potencial interno

O funcionamento da mente sempre foi um assunto que intrigou o homem. Desde a filosofia clássica de Platão à filosofia contemporânea de Sartre, questões como a diferença entre corpo e mente (e como estes dois universos se relacionam) sempre foram abordadas. O fascínio do homem por tal questão é tanto que o mesmo criou uma ciência específica para estudá-lo: a psicologia.

O sobe e desce da economia

Em 29 de agosto de 2015, no colégio Stockler, ocorreu o Sexto Mergulho das Carreiras, um evento em que diversos representantes de renomadas faculdades se reuniram no colégio para palestrar sobre diferentes matérias e cursos. No painel de economia, foi discutido com os profissionais da área e os alunos da escola os possíveis cenários distópicos e utópicos desta profissão. A economia é uma ciência que estuda os processos de produção, distribuição, acumulação e consumo de bens materiais, logo o economista é aquele que evita desperdícios em qualquer serviço ou atividade. Considerando que vivemos em um mundo capitalista, o economista também é essencial para remediar as possíveis crises econômicas que ocorrem de tempos em tempos.

Indústria (a)cultural e alienação

A sociedade em que vivemos é nitidamente influenciada pela mídia. Todos os dias somos bombardeados por propagandas e notícias (nem sempre imparciais) e acabamos condicionados a um determinado comportamento. Nossas ações passam a ser comandadas pela indústria cultural. Pensamos que somos os senhores, os reis que ditam o que a mídia expõe, quando, na verdade, é o capitalismo (a busca por lucro) que manda.