// arquivos

Sociedade e Política

Esta categoria contém 167 posts

Os filhos da crise

Desde o início da crise econômica brasileira em 2015, muitos trabalhadores brasileiros viram-se desempregados de uma hora para outra. De acordo com o IBGE, o Brasil apresenta atualmente cerca de 13 milhões de desempregados, mas esse número tem caído em relação ao primeiro trimestre desse ano. A redução foi causada principalmente devido ao aumento de trabalhadores informais ou que trabalham por conta própria, algo que vem sendo cada vez mais comum nesses tempos de dificuldade e que tende ser uma saída para aqueles que perderam seus empregos. – Por: João Paulo Nagae.

A ascensão da matriz africana

A cultura africana foi discriminada ao longo dos séculos, desde sua inserção em solo brasileiro. Por meio do tráfico negreiro, os primeiros africanos vieram habitar o Brasil como escravos de engenho, de plantações e de lavouras. Seus costumes foram reprimidos e os escravizados foram obrigados a participar da catequização. No decorrer do tempo, seus costumes passaram a ser mais aceitos. Atualmente, a aceitação dos traços afros na estética tem crescido. O cabelo crespo cada dia tem deixado de ser considerado ‘cabelo ruim’, muitas youtubers de moda têm incentivado os negros a assumirem suas origens, deixando de lado os alisamentos e relaxamentos. Ademais, o samba (estilo musical de origem negra) tem tido uma grande repercussão mundial, as músicas se tornaram um símbolo nacional, por exemplo, a música “Isto Aqui, O que é?”, de Caetano Veloso.

A exploração dos animais na pecuária

A pecuária é apenas um dos diversos sofrimentos que os animais são obrigados a aguentar. Milhares de seres vivos sofrem atualmente com experimentos de cosméticos ou científicos, caça esportiva, confinamento em parques e zoológicos para promover lazer aos humanos, além de participarem em esportes e rituais considerados culturais que usam animais. Com isso, os animais sofrem abusos tanto físicos como psicológicos apenas para satisfazer os requisitos dos seres humanos. – Por: Thais Fullmann.

Internet: a limitação tem limites!

A internet deixou de ser apenas uma ferramenta para seus usuários e já faz parte da estrutura da vida contemporânea de forma fundamental. Com o crescimento da utilização do serviço, empresas despreparadas em relação ao desenvolvimento da infraestrutura de conexão pretendem limitar o uso de dados da internet fixa. Mas seriam os planos limitados justos e viáveis para a população brasileira em seu contexto atual? Se as empresas investissem em melhorar e desenvolver a infraestrutura da banda larga no Brasil, seria possível atender a demanda de internet que lhes é requerida atualmente, trazendo muito mais qualidade para os consumidores. Tudo que a população deseja é pagar um preço justo por uma internet justa, como deveria ser. – Por: Raphael Sarno.

Brasil: o país do estrangeiro

Com as Olimpíadas e a Copa do Mundo, o governo brasileiro se esforçou para criar uma imagem satisfatória para a plateia estrangeira. Apesar da boa impressão causada pelo Brasil no resto do mundo, a maior parte do iceberg permanece nas profundezas. Diversos veículos de comunicação de vários países elogiaram o Brasil em momentos como a abertura elaborada do megaevento olímpico. Depois desse espetáculo para o público internacional, o que os brasileiros precisam fazer é torcer para que o governo se preocupe com o seu povo e não só com o resto do mundo. – Por: Ana Luiza Lopes e Gabriela Guedes.

Patinhas unidas por boa causa

Muitos dizem que o cachorro é o melhor amigo do homem, assim como o gato é o companheiro. Por que então tanta gente insiste em deixá-los para trás? O número de animais abandonados no Brasil, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, já passa de 30 milhões, sendo que 20 milhões são cachorros e 10 milhões, gatos. Esses animais abandonados encontram-se em abrigos e ONGs protetoras de animais ou sobrevivendo nas ruas das cidades.

A beleza real

Atualmente, a aparência vai além da vaidade, ela passou a adotar um papel mais importante; ela transmite a originalidade, a personalidade e o estilo de vida de uma pessoa. Nas redes sociais estão surgindo diversos movimentos que incentivam as meninas a assumirem seus cabelos naturais, muitas vezes de origem afro, com o objetivo de combater o preconceito presente no Brasil há séculos. Estamos vivenciando uma verdadeira revolução na ditadura da beleza.

Centro de festas e preocupações

Desde o dia que foi anunciado que o Rio de Janeiro iria sediar as olimpíadas o Brasil se tornou alvo de comemorações e críticas: alguns diziam que a Cidade Maravilhosa era o local perfeito para acontecer o evento, enquanto outros diziam que o governo não tinha a responsabilidade de cuidar da competição. Porém, esses foram apenas comentários de 2009, uma época em que a economia florescia e todos acreditavam no futuro do país – que hoje é algo, para muitos, duvidoso. As olimpíadas trouxeram olhares de diversas partes do mundo, alguns vendo a beleza festiva do local, e outros, o caos e a crise política, econômica, e até mesmo social, que o país todo enfrenta, mostrando a má situação que o brasileiro se encontra.

Monstrinhos de bolso

A franquia Pokémon, que é bem conhecida e amada por várias gerações, está de volta com o seu mais novo jogo Pokémon GO. Este aplicativo está disponível apenas para celulares e é um sucesso, em sua primeira semana com uma marca de 10 milhões de downloads para Android.

Censurando nossos professores?

A instabilidade política atual de nosso país causou discussões em todas as instâncias, incluindo a escolar. Por isso, é normal que os professores e mentores sejam perguntados sobre política ou queiram emitir suas opiniões sobre o assunto. O projeto de lei “Escola sem Partido”, apresentado por Marcel van Hattem (PP), quer colocar limites e regras para o que é falado nas escolas, não só sobre assuntos atuais, mas sobre qualquer questão que possa ser interpretada de mais de uma maneira, com o objetivo de acabar com a “doutrinação ideológica” nas salas de aula. Mas estaria sendo promovida a imparcialidade no ensino ou a censura de intelectuais? – Por: Mateus Alvarenga.